20 de julho de 2024
EconomiaNegóciosPolíticaÚltimas

As entidades empresariais reafirmam seu apoio à posição do governador Caiado em relação à Reforma Tributária.

Governador Ronaldo Caiado durante reunião sobre a Reforma Tributária com o Fórum da Entidades Empresariais do Estado de Goiás: “Tenho toda disposição de continuar essa luta com cada um de vocês”

(Fotos: Hegon Corrêa)

Representantes do Fórum das Entidades Empresariais de Goiás (FEE) se reuniram com o governador Ronaldo Caiado no Palácio das Esmeraldas, em Goiânia, nesta quinta-feira (13/07), para discutir a Reforma Tributária, que foi aprovada na Câmara dos Deputados e agora será analisada pelo Senado Federal.

Durante o encontro, o grupo expressou preocupação com a possível perda de competitividade do setor privado goiano e manifestou apoio à liderança de Caiado na defesa do pacto federativo. O governador destacou que o texto da reforma foi aprovado precipitadamente na Câmara, sem a devida discussão, e ressaltou a importância de aumentar a articulação no Senado para minimizar os impactos negativos sobre a autonomia dos estados.

Caiado assegurou aos representantes das entidades empresariais que está disposto a continuar lutando ao lado deles e que convidou-os para ouvir suas demandas. Todas as entidades presentes reforçaram seu apoio à posição do governador. O vice-governador Daniel Vilela ressaltou a necessidade de ampliar a voz dos empresários contrários ao texto da reforma e afirmou que há muito debate pela frente, exigindo maior mobilização.

Os representantes das entidades ressaltaram a importância de evitar a fuga de indústrias e o impacto negativo na qualidade de vida da população. O texto atual da Reforma Tributária prevê a centralização, pela União, do controle sobre as políticas de incentivos fiscais, que são prerrogativas fundamentais dos governos estaduais para atrair indústrias.

Eles enfatizaram a necessidade de manter os incentivos fiscais, os fundos e o pacto federativo. Salientaram que o estado de Goiás possui o sétimo maior parque industrial do Brasil graças aos incentivos fiscais. Também alertaram sobre os riscos de perder o Fundo Constitucional de Desenvolvimento do Centro-Oeste e o Pró-Goiás, bem como outras opções criadas nos últimos anos para garantir a competitividade em relação a outros estados.

Os representantes das entidades ressaltaram que o atual texto da reforma beneficia os estados mais populosos e ricos, que possuem um mercado consumidor maior, prejudicando a competição entre os estados e concentrando cada vez mais a riqueza no país. Eles reiteraram que a posição defendida pelo governador representa os interesses dos empresários, da indústria e do estado a longo prazo.

Além do governador Ronaldo Caiado, estiveram presentes na reunião representantes de diversas entidades, como a Federação das Indústrias do Estado de Goiás (FIEG), a Federação das Câmaras de Dirigentes Lojistas de Goiás (FCDL), a Câmara de Dirigentes Lojistas de Goiânia (CDL), a Federação das Associações Comerciais, Industriais, Empresariais e Agropecuárias do Estado de Goiás (Facieg), a Federação do Comércio do Estado de Goiás (Fecomércio-GO), a Federação da Agricultura e Pecuária de Goiás (Faeg) e a Organização das Cooperativas Brasileiras em Goiás (OCB-Goiás).

(Fotos: Hegon Corrêa)