20 de julho de 2024
NotíciasPolíciaÚltimas

O Governador Ronaldo Caiado afirmou que a força-tarefa policial contribui para que as mulheres se sintam respeitadas.

Nesta quarta-feira (22/03), o governador Ronaldo Caiado elogiou o esforço das forças de segurança de Goiás no combate à violência contra a mulher. A atuação intensificou-se após o lançamento da Operação Atria, em fevereiro, que visa cumprir mandados de prisão, fiscalizar medidas protetivas, concluir inquéritos policiais e outras ações contra agressores. As atividades continuarão até o dia 28 de março. Em entrevista à TV Record, Caiado destacou que as políticas públicas desenvolvidas na área aumentam a capacidade de combate ao feminicídio e que as mulheres estão mais dispostas a denunciar episódios de violência. Durante a Operação Atria, mais de 1,8 mil vítimas foram atendidas em Goiás, e foram realizadas 8.580 ações diversas, incluindo diligências policiais, apuração de denúncias e palestras educativas.

Força-tarefa

A Secretaria de Segurança Pública (SSP-GO) em conjunto com o Ministério da Justiça e Segurança Pública lançaram a força-tarefa para combater crimes contra a mulher em Goiás. O governador, que tem defendido essa causa desde que era legislador, reforçou a Patrulha Maria da Penha pelo estado e enviou um projeto de lei à Alego no início deste mês para criar a Delegacia Estadual de Atendimento Especializado à Mulher.

Visitas íntimas em presídios

Durante a entrevista, o governador Ronaldo Caiado abordou a questão das visitas íntimas no sistema penitenciário de Goiás. Ele afirmou que, de acordo com uma decisão do Tribunal de Justiça, a gestão e fiscalização das penitenciárias são de responsabilidade do governo estadual, e que, portanto, a situação continuará como está: os presos perigosos das facções não terão direito a visitas íntimas. Caiado argumentou que as visitas íntimas são uma “regalia” e que o estado tem feito sua parte em garantir a dignidade dos presos, reformando as áreas de banho de sol, alimentação e dormitórios. Ele enfatizou que não construirá quartos de motel em presídios.