20 de julho de 2024
NotíciasPolíciaÚltimas

Felipe Gabriel Jardim Gonçalves, recebeu sua primeira condenação pelo assassinato de seu sogro dentro de uma farmácia em Goiânia.

Felipe Gabriel Jardim Gonçalves, ex-servidor público de 26 anos, foi condenado por um caso de violência doméstica que resultou na morte de seu sogro dentro de uma farmácia no Setor Bueno em 27 de junho do ano passado. A sentença determinou uma pena de 3 anos e 3 meses de reclusão, além de 3 meses de detenção por ameaça e violência psicológica contra sua então namorada, a empresária Kennia Yanka Silva Leão, de 26 anos. O crime causou danos emocionais e à saúde mental da vítima.

A denúncia foi feita pelo pai de Kennia Yanka, João do Rosário Leão, um policial civil aposentado de 63 anos, em 25 de junho passado. Dois dias depois, Felipe descobriu o registro da ocorrência no 1º Distrito Policial de Aparecida de Goiânia, e utilizou isso como justificativa para se dirigir até o estabelecimento de sua ex-namorada na Avenida T-4 e cometer o assassinato de seu sogro.

Nesse processo, Felipe foi denunciado por quatro crimes: ameaça e violência psicológica combinados com dois artigos da lei federal 11.340/2006, conhecida como Lei Maria da Penha, ameaça contra o sogro e disparo de arma de fogo. A Justiça considerou diversos elementos apresentados pela acusação para comprovar que o crime foi cometido de forma contínua.

Felipe também foi condenado a pagar uma indenização de R$ 6 mil à sua ex-namorada por danos morais e materiais relacionados à violência doméstica e familiar. Esse valor pode ser aumentado em uma possível ação na esfera cível. Apesar da sentença, ele conseguiu obter um alvará de soltura nesse processo específico, mas permanece preso devido a outras prisões preventivas decretadas em outros dois casos, incluindo o assassinato do pai de Kennia.

A denúncia teve como base principalmente os eventos que ocorreram ao longo de dois dias no ano passado. O casal estava namorando desde maio de 2021, mas de acordo com a acusação, as agressões e ameaças ocorriam com frequência a partir de agosto daquele ano. Os acontecimentos mais relevantes foram registrados em 30 de abril e 25 de junho, levando o pai de Kennia a procurar a polícia.

No total, foram relatadas dez ocorrências em que Felipe de alguma forma ameaçou ou constrangeu sua então namorada. Em uma ocasião, após não conseguir falar com ela, o ex-servidor público fez 180 chamadas para o celular dela e, quando a encontrou, passou a proferir uma série de ofensas.

As ameaças mais graves ocorreram em 30 de abril, quando voltavam de uma festa. Felipe, transtornado, apontou uma arma para a cabeça da empresária e afirmou que se ela o denunciasse, ele a mataria e depois cometeria suicídio. Ela conseguiu gravar parte desse incidente, e o vídeo foi divulgado pela imprensa após a prisão de Felipe.

Em 25 de junho, Felipe teria ameaçado primeiro o pai do filho de Kennia em uma festa junina, depois efetuado disparos em uma festa no condomínio onde a avó de sua ex-namorada mora e, por fim, na casa do sogro, ameaçou matar tanto o policial civil aposentado quanto sua namorada. Ele disparou mais um tiro para o alto, atingindo o teto da garagem. Nessa ocasião, o agora condenado apontou a arma para a cabeça do sogro.