22 de julho de 2024
NotíciasÚltimas

Concessionária ganha na Justiça o aumento no valor dos pedágios nas BRs-153 e BR-060 em Goiás

Triunfo Concebra devolve BR-153 após não conseguir viabilizar Anel Viário -  via @podergoias
Triunfo Concebra BR-060

Uma decisão judicial da última sexta-feira, do Tribunal Regional Federal da 1° região determinou que a Triunfo Concebra, empresa responsável pela manutenção das BR’s 060 e BR-153 em Goiás, está autorizada a manter os aumentos nos valores cobrados nospedágios dessas rodovias.
No ano passado, a concessionária adotou alguns aumentos que ultrapassaram os 160% em alguns trechos do Estado, e isso chamou a atenção do Ministério Público Federal (MPF). A instituição pública questionou judicialmente os novos valores, que foram autorizados pela Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT). Em fevereiro deste ano, acatando os questionamentos do MPF, a Justiça determinou a suspensão dos reajustes considerados abusivos e infundados. Na decisão judicial, os procuradores responsáveis pela ação destacaram a má qualidade do serviço prestado em relação aos aumentos nos preços dos pedágios.
Entretanto, agora com a nova decisão, os aumentos foram re-autorizados. Em nota, a
concessionária afirma que: “Em razão de decisão proferida pelo Tribunal Regional Federal da 1ª Região, a Triunfo Concebra informa que não haverá alteração dos valores das tarifas de pedágios cobrados atualmente”.
Mais sobre o caso
Segundo informações, a Triunfo Concebra solicitou no início de 2022, a suspensão do contrato de concessão das rodovias, após nove anos de prestação de serviços, a fim de retornar a administração das estradas ao governo federal. A ANTT autorizou a suspensão apenas se a concessionária mantivesse os serviços prestados por mais 20 meses, até o final deste ano.
Atualmente, os valores dos pedágios para automóveis no trecho entre Alexânia e Goianápolis estão em R$6,90 para veículos de 2 eixos, R$10,35 para veículos com 03 eixos, enquanto que para veículos com 4 eixos são cobrados R$13,80. Quando pensamos em caminhões, esses valores podem ultrapassar a marca dos R$40,00 a depender da estrutura do veículo. Solicitamos à ANTT um posicionamento das decisões judiciais mais recentes, mas não obteve resposta até o encerramento dessa matéria.