20 de julho de 2024
PolíciaPolíticaÚltimas

Após as nomeações realizadas, a base de apoio do prefeito Rogério Cruz na Câmara Municipal de Goiânia conta agora com 29 vereadores.

Após uma semana de negociações e nomeações de indicados para cargos-chave na prefeitura, a base aliada do prefeito Rogério Cruz, do partido Republicano, na Câmara Municipal de Goiânia, agora conta com 29 dos 35 vereadores. Essas nomeações visam fortalecer o apoio ao governo e garantir uma maioria sólida para a aprovação de projetos importantes. No entanto, existem três vereadores “independentes” que estão abertos a apoiar o Paço Municipal em votações cruciais, mas desejam manter sua liberdade de expressão e também pressionar politicamente a administração. Na oposição, três vereadores continuam resistindo: Aava Santiago (PSDB), Kátia Maria (PT) e Ronilson Reis (PMB).

Apesar do número significativo de parlamentares governistas, ainda há reclamações nos bastidores, com questões recorrentes como problemas com secretários, falta de atendimento às demandas e disputas por espaços ocupados por indicações de outros vereadores. Essas questões têm gerado insatisfação entre alguns membros da base aliada, que buscam uma resolução para os problemas internos e uma melhor governabilidade.

Desde o início de seu mandato, o prefeito Cruz possui uma maioria na Câmara Municipal, o que tem permitido a aprovação de projetos importantes para o Executivo, como o Plano Diretor e o Código Tributário Municipal (CTM). No entanto, a falta de coesão dentro do grupo governista tem gerado um aumento nas reclamações e dificultado a tramitação de matérias relevantes. Essa falta de solidez também resultou na abertura de uma Comissão Especial de Inquérito (CEI) em março para investigar a Companhia de Urbanização de Goiânia (Comurg). No entanto, essa CEI perdeu força devido às últimas articulações realizadas pelo prefeito, que buscaram fortalecer sua posição.

Durante os primeiros meses do ano, a relação entre o prefeito e os vereadores era marcada por desgaste e constantes reclamações nos bastidores e no plenário. A insatisfação crescia devido à cobrança por mais oportunidades de indicação de cargos na prefeitura e por ações efetivas do Executivo que gerassem resultados visíveis para a população, como obras de infraestrutura.

No entanto, os vereadores começaram a dar sinais de reaproximação com o prefeito em 2 de maio, quando Cruz compareceu à Câmara Municipal para prestar contas do 3º quadrimestre de 2022. Nessa sessão, houve elogios ao prefeito e poucas críticas à sua gestão. Naquele momento, o líder do prefeito, Anselmo Pereira, contava com o apoio de 22 a 24 vereadores na base governista. Por sua vez, o secretário de Governo, Jovair Arantes, era mais otimista e já mencionava a possibilidade de contar com 27 vereadores alinhados com a administração municipal.